REVISTA DIGITAL - PUBLICAÇÕES - Nº14 - Volume 1

DOSSIÊ HISTORIA SOCIAL DO TRABALHO NA AMAZÔNIA  
Organização:   César Augusto Bulboz Queirós ( UFAM)

Há tempos, observamos nos programas de Pós-Graduação um significativo crescimento da produção acadêmica no campo da História Social do Trabalho. Após um período em que a própria centralidade do trabalho enquanto categoria analítica foi questionada, esta emerge de forma bastante dinâmica, a partir de novas abordagens e novas metodologias. A história do movimento operário se alargou de tal forma que permitiu (..) 

 

Apresentação do Dossiê

 



1. Imigração, Trabalho e Imprensa em Manaus, 1890-1928 – - Luís Balkar Sá Peixoto Pinheiro (UFAM) 




2 .Negros e índios sob suspeita: dimensões da escravidão e do trabalho compulsório no território amazônico (1850-1860) –  Antônio Alexandre Izídio Cardos (PPGH/USP) 




3. Homens e pedras no interior da floresta: trabalho, cultura e política no início da mineração industrial na Amazônia –   Adalberto Paz (UNIFAP)
 



4. Insubmissos e desertores: os barqueiros do Araguaia e a divisão do trabalho na navegação interprovincial (Goiás/Pará – século 19) – -  Marina Hainzenreder Ertzogue (UFTO)  
 



5.Meninas nos Mundos do Trabalho: um breve olhar através da imprensa manauara (1890-1920) – -  Alba Barbosa Pessoa (PPGH/UFPA) -   
 


6. Pelas páginas do jornal Vida Operária: aspectos acerca do mundo do trabalho no Amazonas na década de 1920 – -  Luciano Everton Costa Teles (UEA – PPGH/UFRGS) 

 



7. " Os humildes filhos de Minerva": o letramento operário e a construção identitária através dos tipógrafos durante a híbrida modernidade amazônica - Cláudia Amélia Barros ( PPGH-UFAM)

 


8.Pelos des(caminhos) da cidade: trabalho e vivências na cidade de Manaus-  –  Patrícia Rodrigues Silva (UFAM)
 



9.Os Professores Amazonenses nos Anos 1930: entre as Prescrições Regulamentares e a Realidade Escolar Cotidiana –  -  Tarcisio Serpa Normando (UNINORTE) 

 



10.Organizando a categoria: associativismo e sindicalismo no universo da estiva manauara, 1899-1925 - Maria Luiza Ugarte Pinheiro ( UFAM)

 

 Entrevista com o Historiador Alexandre Fortes 
 

"Durante a realização da I Jornada de História do Trabalho na Amazônia, o GT Mundos do Trabalho Amazonas, em parceria com o GT Mundos do Trabalho Amapá, entrevistou o historiador Alexandre Fortes, professor na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, e um dos precursores da renovação nos estudos sobre história do trabalho no Brasil nos últimos anos. Fortes é autor de livros e artigos que versam sobre organizações de trabalhadores, sindicalismo, trabalhismo, além de diversas publicações e análises sobre política, cidadania e democracia na atualidade.(...) " ( VEJA ENTREVISTA COMPLETA)

REVISTA DIGITAL - PUBLICAÇÕES - Nº14 -  Volume 2

1. Aproximações entre o liberalismo clássico e o neoliberalismo - Dejalma Cremonese ( UFSM), Eduardo Guedes ( UFSM)
 

 


2. Epistemologia e Didática: Do Discurso Teórico Á Efetiva Prática Docente - Franciele Lessa Mendonça Detóri ( Grupo Educacional INAPE), Thiago Campos ( Grupo Educacional INAPE) 
 

 


3.A Historiografia Comunista: Era dos Extremos Vivendo no Limite -   Aristéia Mariane Kayser ( UNIFESP) , Marco Aurélio Silva ( UFSM/UNSC)

 


4.Afonso X, o Sábio (1221-1284) e a recepção datranslatio studiorum na Idade Média viva - Elaine Cristina Senko  (PPGHIS UFPR/NEMED/TECPUC-PR)
 

 


5. JESUÍTAS NO JAPÃO – CONFLITOS RELIGIOSOS E A POLÍTICA DO SAKOKU -   Michele Eduarda Brasil de Sá (UFRJ/UnB)
 

 


6. REPRESENTAÇÃO PICTÓRICA DOS ÍNDIOS DO BRASIL -Joana Oliveira Oliveira, Joana 
 



7. ABC DE ANGELA LAGO: CONVERGÊNCIA ENTRE O IMPRESSO E O DIGITAL- PENHA ÉLIDA GHIOTO TUÃO RAMS ( UENF), ANALICE DE OLIVEIRA MARTINS ( UENF)

8. A Negação nas Línguas do Grupo Nsenga-Sena(N40) em Comparação com a Língua do Grupo Nyanja (N30): Caso das Línguas Cinyngwe ( N43), Cisena ( N44), e Cinyanja ( N31a)  -Leonildo Inácio Viagem ( IMGM, Moatize, Província de Tete, Angola)

 

 

 

9.Apreciaciones en torno a la expresión escrita en el proceso de enseñanza y aprendizaje de Español Lengua Extranjera - ELE-Gracineia dos Santos Araújo ( Universidad de Valladolid, Espanha) 

 

 

10. As Construções Binominais de Quantificação Indefinida: uma análise construcionista- Tatiane Silva Tavares ( UFJF)

 


11.A tessitura da memória e da identidade feminina nas obrasOdisseia de Penélope & Vulgo Grace, de Margaret Atwood -Allan Franck de Resende (UFV)  Luiz Manoel da Silva Oliveira (UFSJ)

 

 


12. Problematização do tempo Em estado de memória de Tununa Mercado- Tamilis Loredo de Oliveira e Claudio do Carmo

Gonçalves ( UESC) 
 

 


13.Alguns fantasmas d'A causa secreta de Sergio Bianchi (César Takemoto-USP)
 

 


14.As relações familiares e o fingimento em O que deu para fazer em matéria de história de amor de Elvira Vigna - Silvia Barros ( UFRJ)  
 



15. Notas para Um Novo Concerto Literário: Luiz Antonio de Assis Brasil Nas Histórias da Literatura -Mairim Linck Piva (UFRS) e Cibele Hechel Colares da Costa (UFRS)

 


16. Corpos que (se) comem, corpos que (se) olham: o corpo-canibal em “O corpo” e outros contos de Clarice Lispector - Djulia Justen (UFSC)
 

 


17. Caprichos e Relaxos: A Poesia em Movimento - Helenice Fragoso dos Santos ( UFAL)
 

 


18.Interseções entre “O elixir da longa vida”, de Balzac, e “O coração denunciador”, de Poe - Ana Luíza Duarte de Brito Drummond ( UFMG)
 



19. Trilhas na Floresta: Uma Leitura de A Voragem, de José Eustásio Rivera - Marinete Adriano de Melo  (UFAC) e Luciana Marino do Nascimento (UFRJ)

 


20. A Representação da Mulher Pequeno-Burguesa ou A Terrível Oposição entre o Ser e o Parecer no Ciclo Port Wine de Alves Redol -Lucien Diouf ( Universidade Paul-Valéry- Montpellier, França)

 


21.Perspectivas para o trabalho com projetos didáticos:  produção de poemas na escola- Maria Isaura Rodrigues Pinto (FFP-UERJ) 
 

 


22. O preconceito Literário e a Formação de Leitores: Ingressando nos Bosques da Ficção e Outras Leituras entre Pontos e Contrapontos -   Renato de Oliveira Dering (UFV) eEderson Luís Silveira (UFSC)
 

 


22. Revisitando Alguns  Aspectos Teóricos que Embasam a Literatura Afro-Brasileira - Omar da Silva Lima (UNB)

 


23.UM HOMEM SEM PROFISSÃO, A AUTOBIOGRAFIA DE OSWALD DE ANDRADE-  Bruno Marques Duarte (FURG)
 

 


24.Diversidade e preconceito na era do politicamente correto: “a carne mais barata do mercado é a carne negra! Só cego não vê!  -Francisco Maciel Silveira Filho ( Universidade Presbiteriana Mackenzie e do Centro Universitário Salesiano  de São Paulo - UNISAL) 
 

 


25. Cerâmica Marajoara: Leituras e Releituras Imagéticas na Amazônia Brasileira - ( Antônio Jackson de Souza Brandão,Camila Cristina Guerreiro, Larissa Souza Correia - UNISA/SP)

   

​© 2020 Revista Litteris   - Uma publicação Semestral                     email: revistalitteris@yahoo.com